Análise foca elementos de linguagem e de criação mais recorrentes em peças exibidas na TV

(São Caetano do Sul – SP) – Nos últimos anos, tem se tornado cada vez mais comum a exibição de comerciais na TV em que celebridades praticam o autodeboche. A estratégia adotada pelas agências foi abraçada por muitos famosos que, com bom humor, riem de si mesmos e estrelam peças cômicas. E é exatamente sobre este fenômeno que se volta o olhar do professor e publicitário Paulo Augusto Lane Valiengo, autor da dissertação “O autodeboche na propaganda televisiva contemporânea como estratégia de criação e inovação”.

O pesquisador analisou peças em que atuam Ricardo Macchi e Dustin Hoffman (Fiat 500), Byafra (Bradesco), Beto Barbosa (Skol), Vanusa (Visa), Joel Santana (Pepsi), Anderson Silva (Burger King), Túlio Maravilha (VW Gol) e Ronaldo Fenômeno (Fiat).

Paulo afirma que a eficácia da linguagem publicitária está em motivar seu público a uma ação. “Para isso, ela tem que ser cativante e envolvente, tem que sensibilizar e emocionar, tem que seduzir e conquistar, tem que se destacar e informar, tem que ser marcante e memorável, tem que entreter e divertir”. E o humor, em particular, é uma ferramenta de persuasão bastante eficaz. “É comprovado que o consumidor demonstra uma maior receptividade às mensagens publicitárias com conteúdos humorísticos, que conseguem diverti-lo e fazê-lo rir”, analisa.

Para Paulo, outros fatores que contribuem para a boa aceitação desses comerciais são o sucesso dos espetáculos de stand up comedy, o surgimento de novos programas de humor na TV e ainda o alto número de visualizações e compartilhamento de vídeos na Internet que exibem pessoas em situações constrangedoras. “A maioria dos comerciais analisados nesta pesquisa atingiu um alto grau de viralização. Assistir aos outros, principalmente pessoas conhecidas publicamente, vivenciando situações em que, de certa forma, são ridicularizadas, parece ter grande aceitação das pessoas. Não se trata de um novo hábito, mas, com certeza, de um superdimensionamento deste hábito, pelo qual a mídia e a tecnologia são as grandes responsáveis, são as peças fundamentais nesse processo”, explica o professor.

Para a orientadora do trabalho de Paulo, a filósofa com doutorado e pós-doutorado pela USP, Regina Rossetti, a pesquisa do Paulo é atual e trata, de forma detalhada e bem organizada , de um aspecto muito interessante e inusitado da propaganda televisiva contemporânea: o deboche que os protagonistas, famosos em certo sentido, fazem de si mesmo, mostrando assim, a irreverência e o bom humor característicos do brasileiro.

A dissertação de mestrado de Paulo Augusto Lane Valiengo está disponível para consulta – na íntegra – no link:

http://www.uscs.edu.br/posstricto/comunicacao/dissertacoes/2014/pdf/paulo_augusto_lane_valiengo.pdf

O programa de Mestrado em Comunicação da USCS objetiva contribuir com a geração e difusão do conhecimento científico no campo da Comunicação e, com isso, dar consecução à missão da USCS junto à comunidade interna e externa. Pretende ainda contribuir na formação de pesquisadores e docentes com visão crítica e científica do campo da Comunicação face a uma sociedade em constante transformação. Informações sobre o programa: http://www.uscs.edu.br/posstricto/comunicacao/.

Mais informações à imprensa:

Universidade Municipal de São Caetano do Sul – Assessoria de Comunicação

Luciano Domingos da Cruz – tel. 4239-3259 – e-mail: comunic@uscs.edu.br

30/10/2014

Autodeboche em filmes publicitários é tema de pesquisa na USCS