Pesquisador da USCS estuda o Anime Music Video e suas relações com os conceitos de pós-modernidade e cibercultura

(São Caetano do Sul – SP) – As origens do Anime Music Video (AMV) estão nas décadas de 1980 e 1990, como uma brincadeira de jovens que, apaixonados pela cultura pop japonesa – ou, como são conhecidos, otakus –, importavam fitas VHS de séries japonesas, produziam as próprias legendas para o inglês e, caso sobrasse fita ao final, editavam algumas cenas. O advento da internet e o surgimento de ferramentas de edição cada vez mais práticas levaram, porém, o AMV a outro patamar. “Os AMVs são vídeos produzidos a partir de colagem, montagem e reorganização de cenas de um ou mais filmes japoneses de animação, os animês, ao som de uma canção, normalmente vinculada ao pop japonês”, explica o pesquisador Marco Bellan, que defendeu a dissertação “A inovação do AMV: O anime music video e suas relações com a pós-modernidade e a cibercultura” para obtenção do título de mestre junto à Universidade Municipal de São Caetano do Sul (USCS).

Para realizar a pesquisa, Marco selecionou nove vídeos premiados na categoria Best of the Year (melhor do ano), entre os anos 2002 e 2010, em um dos principais concursos do gênero, o VCA (Viewers Choice Awards), promovido anualmente pela maior comunidade e portal sobre o assunto, o site animemusicvideo.org. A partir daí, focalizou alguns elementos presentes na linguagem dos videoclipes em geral e em alguns específicos dos AMVs, como sinestesia, relação entre as cenas e a música, edição, efeitos visuais, montagem/colagem e escolha dos animês utilizados nos vídeos.

Um dos poucos estudos sobre o tema no Brasil, as análises de Marco levam a um repensar de questões atuais em nossa sociedade, tanto sobre estéticas e concepções autorais como até mesmo sobre identidades múltiplas. Para o pesquisador, a colagem e a intertextualidade são responsáveis pelo surgimento de criativas e inovadoras expressões artísticas no mundo contemporâneo. “Essas comunidades de aficionados pela cultura pop japonesa, em especial a dos otakus, constituem-se em novas identidades traduzidas na criação dos AMVs, clipes híbridos produzidos no mundo virtual”, analisa. O Brasil, por exemplo, possui o maior encontro estrangeiro do gênero chamado de Anime Friends. O caso da comunidade dos otakus e sua ligação com a cultura pop japonesa por meio das redes virtuais são, afinal, fenômeno possibilitado pelo “processo de digitalização das informações, a facilidade de acesso a elas e seus compartilhamentos, que geraram o que se chamou de convergência das mídias em plataformas singulares e móveis, possibilitando o manuseio das informações digitalizadas por muitos que estejam também conectados nas redes virtuais”, afirma Marco.

 

Coordenador do Programa de Pós-Graduação em Comunicação da USCS, o professor doutor Herom Vargas orientou o trabalho de Marco e destaca que “este trabalho aprofunda nosso entendimento sobre um fenômeno contemporâneo importante da cultura midiática, bastante criativo e produzido por jovens fora das indústrias culturais”.

A dissertação de mestrado de Marco Bellan está disponível para consulta – na íntegra – no link:

http://www.uscs.edu.br/posstricto/comunicacao/dissertacoes/2012/pdf/dissertacao_Marco_Bellan.pdf

O Mestrado em Comunicação da USCS objetiva contribuir com a geração e difusão do conhecimento científico no campo da Comunicação e, com isso, dar consecução à missão da USCS junto à comunidade interna e externa. Pretende ainda contribuir na formação de pesquisadores e docentes com visão crítica e científica do campo da Comunicação face a uma sociedade em constante transformação. Informações sobre o programa: http://www.uscs.edu.br/posstricto/comunicacao/.

 

Mais informações à imprensa:

Universidade Municipal de São Caetano do Sul – Assessoria de Comunicação

Luciano Domingos da Cruz – tel. 4239-3259 – e-mail: comunic@uscs.edu.br

20/10/2013

Cultura pop japonesa é tema de pesquisa acadêmica