Divulgação científica ainda é incipiente nas universidades do Grande ABC, revela estudo

Pesquisadora identificou estruturas recém-criadas na USCS, Metodista e UFABC; unidades apostam no site institucional para dar publicidade às produções acadêmicas

(São Caetano do Sul – SP) – Nas últimas duas décadas, os governos federal e estadual expandiram as ações para promover a pesquisa científica no Brasil. Em 2013, o país foi responsável por 2,7% da produção acadêmica em todo o mundo, segundo a SBPC (Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência). Os dados chamaram a atenção de uma pesquisadora da USCS (Universidade Municipal de São Caetano do Sul), que passou a investigar como as universidades do Grande ABC se articulam para divulgar os trabalhos científicos à comunidade acadêmica e à sociedade.

Para responder ao questionamento, a Relações Públicas Vanessa Aparecida do Carmo selecionou três universidades regionais – além da USCS, UMESP (Universidade Metodista de São Paulo) e UFABC (Fundação Universidade Federal do ABC) –, entrevistou os profissionais responsáveis pela área em cada unidade e analisou os respectivos sites. Os critérios para identificar inovação nas divulgações foram: estrutura da página inicial, informações sobre pesquisa, localização do repositório de teses e dissertações e linguagem utilizada quando citadas pesquisas científicas.

A pesquisa deu origem à dissertação A divulgação científica nas universidades do Grande ABC: inovações ou repetição de formatos?. A primeira percepção da mestre em Comunicação foi de que todas as universidades passaram a adotar recentemente diretrizes organizacionais com foco na divulgação cientifica. Segundo a pesquisadora, apesar de os entrevistados considerarem a prática “importante”, o trabalho ainda é incipiente na região. “Não faz sentido fazer pesquisa e guardá-la na gaveta ou em repositórios, ela precisa ser disseminada, precisa contribuir de alguma forma”, avalia.

O estudo apontou que o site institucional é a principal ferramenta de comunicação, no entanto, revela Vanessa, existe grande dificuldade de encontrar informações de divulgação científica nas páginas virtuais das universidades. “Em nenhuma das instituições analisadas existe um fluxo de comunicação para divulgação científica, entretanto, todas manifestaram um interesse em desenvolver, em formalizar, distribuir funções, de terem metas e resultados.”

O VALOR DA COMUNICAÇÃO – De acordo com o trabalho, as principais ações para divulgar as produções acadêmicas são envio de releases à imprensa, participação em eventos como Simpósio e “Lições de Pesquisa” e publicações no site. “Em todas as ações citadas pelos entrevistados existe um profissional de comunicação envolvido no processo. É possível perceber o quanto ele faz a diferença, o reconhecimento por ele nessa atividade e oportunidade de trabalho para os comunicadores”, destaca a especialista.

A pesquisadora revela ainda que a Comunicação é a chave para construção de uma cultura de divulgação científica na região. Na avaliação de Vanessa, é possível direcionar ações a públicos distintos com a finalidade de divulgar conhecimentos e experiências que impliquem no cotidiano das pessoas. “Essas informações podem agregar valores a suas vidas seja através de uma peça de teatro até um informativo direcionado à comunidade, destacando aqui também as mídias sociais. Aqui a criatividade dos comunicadores ou comunicólogos é destacável.”

Orientador da pesquisa, o professor doutor Arquimedes Pessoni destaca a importância para o tema da pesquisa. “O trabalho mostrou que há interesse, algumas iniciativas, mas ainda muito que fazer na área de divulgação científica. O estudo revelou o potencial de pesquisas produzidas e pouco divulgadas pelas instituições do ABC. Sensibilizar os pesquisadores da importância em divulgar o resultado de seus próprios trabalhos além da academia e não somente para seus pares é a primeira dificuldade a ser vencida”, analisa Pessoni.

A dissertação de mestrado de Vanessa Aparecida do Carmo, A divulgação científica nas universidades do Grande ABC: inovações ou repetição de formatos?, está disponível para consulta – na íntegra – no link: http://www.uscs.edu.br/posstricto/comunicacao/dissertacoes/2015/pdf/DISSERTACAO_VANESSA_APARECIDA_DO_CARMO.pdf

Sobre o Mestrado em Comunicação

O programa de Mestrado em Comunicação da USCS objetiva contribuir com a geração e difusão do conhecimento científico no campo da Comunicação e, com isso, dar consecução à missão da universidade junto à comunidade interna e externa. Pretende ainda contribuir na formação de pesquisadores e docentes com visão crítica e científica do campo da Comunicação face a uma sociedade em constante transformação. Informações sobre o programa: http://www.uscs.edu.br/posstricto/comunicacao/.

Mais informações à imprensa:

Universidade Municipal de São Caetano do Sul – Assessoria de Comunicação

Luciano Domingos da Cruz – tel. 4239-3259 – e-mail: comunic@uscs.edu.br

Divulgação científica ainda é incipiente nas universidades do Grande ABC, revela estudo