Olhar é voltado para os caminhos metodológicos adotados pelas agências no treinamento de porta-vozes para a comunicação com o público

(São Caetano do Sul – SP) – Instigado pela construção de personagens desenvolvidas pelos atores, bem como a maneira como a comunicação com o público é conduzida, o jornalista e ator Antonio Inácio Siqueira Junior traçou um curioso paralelo: no campo da comunicação entre empresas e público, decidiu investigar como ocorre o treinamento dos porta-vozes, aqueles que são o rosto das próprias empresas e falam em nome destas. Constituída como uma dissertação de mestrado, a pesquisa analisa os diferentes métodos de media training aplicados pelas agências de comunicação a estes profissionais, isto é, como deve ser conduzido esse treinamento que deve ser capaz de desenvolver, no porta-voz, habilidades que permitam a este profissional uma comunicação assertiva com a imprensa e com seu público.

O pesquisador realizou 26 entrevistas em 14 agências paulistas, cadastradas na Abracom (Associação Brasileira das Agências de Comunicação), cuja análise “permite afirmar que os principais caminhos metodológicos utilizados pelas agências estão diretamente relacionados às simulações (93% das agências) – entrevista, TV, rádio e coletiva – e a customização dos treinamentos (36% das agências)”, apresenta Antonio. Das 152 agências de comunicação registradas na Abracom, apenas 14 utilizavam a metodologia de media training em suas atividades. Entre estas, então, a simulação, o posicionamento frente à câmera e as teorias da comunicação eram os tópicos mais abordados durante os treinamentos. A maioria das agências entrevistadas não tratava de tópicos como comunicação interna, elaboração de manuais de comunicação, pesquisa de imagem com a imprensa, técnicas de interpretação cênicas e técnicas de palestras e discurso em eventos. “Isto pode ter ocorrido devido ao fato de algumas agências terem se especializado em áreas determinadas e por buscarem um diferencial competitivo em seu programa de treinamento de media training”, explica o jornalista.

Outra tendência observada pela pesquisa é a elaboração de programas bastante personalizados pelas agências, a fim de atender às necessidades mais específicas de cada cliente. Foram apontados métodos inovadores também, como o uso de dramatizações durante os treinamentos e mesmo um media training para mídias sociais. “A multidisciplinaridade ganha importância”, destaca o pesquisador. “Percebemos que, de acordo com a opinião dos entrevistados que trabalham a multidisciplinaridade, não seria possível treinar os porta-vozes de forma construtivista sem um mínimo de conhecimento de comunicação, psicologia social, marketing e estratégia, etc.”

Para Arquimedes Pessoni, professor doutor do Programa de Mestrado em Comunicação da USCS e orientador do trabalho de Antonio, “a pesquisa veio mostrar a segmentação do mercado, onde a tarefa de media training é feita, na maioria das vezes por profissionais de mercado, mas como segunda atividade profissional. O trabalho do pesquisador foi dar número a essa tendência, onde impera os prestadores de serviço”.

A dissertação de mestrado de Antonio Inacio Siqueira Junior está disponível para consulta – na íntegra – no link:

http://www.uscs.edu.br/posstricto/comunicacao/dissertacoes/2013/pdf/DISSERTACAO_ANTONIO_INACIO_SIQUEIRA_JUNIOR.pdf

O programa de Mestrado em Comunicação da USCS objetiva contribuir com a geração e difusão do conhecimento científico no campo da Comunicação e, com isso, dar consecução à missão da USCS junto à comunidade interna e externa. Pretende ainda contribuir na formação de pesquisadores e docentes com visão crítica e científica do campo da Comunicação face a uma sociedade em constante transformação. Informações sobre o programa: http://www.uscs.edu.br/posstricto/comunicacao/.

Mais informações à imprensa:

Universidade Municipal de São Caetano do Sul – Assessoria de Comunicação

Luciano Domingos da Cruz – tel. 4239-3259 – e-mail: comunic@uscs.edu.br

29/04/2014

Estudo analisa técnicas de media traning utilizadas por agências paulistas