Publicitário analisou anúncios de sites e revistas da última década e identificou relações entre formatos, mensagens, públicos e mídias; design muda constantemente

(São Caetano do Sul – SP) – Você já parou para pensar o que motiva um publicitário a definir a tipografia (tipo de letra) na hora de elaborar um anúncio? O diretor de arte Leandro Fabris Lugoboni sim. Em 2013, o pesquisador ingressou no mestrado em Comunicação da USCS (Universidade Metodista de São Caetano do Sul) e começou a investigar as relações entre os formatos das letras, as mensagens, os públicos e as mídias. A pesquisa foca as tensões entre signos verbais e visuais na letra ilustrada.

Recentemente, o publicitário defendeu a dissertação Inovações na linguagem tipográfica: a tensão entre o virtual e o verbal na letra ilustrada, onde relata os fundamentos que auxiliam na definição das letras em produtos de comunicação publicitária impressa. Para dar vida ao estudo, Leandro realizou levantamento de anúncios publicitários impressos em revistas da última década, que exibem a letra ilustrada, nos anuários do site do Clube da Criação de São Paulo e nos anuários do concurso norte americano Clio Awards.

Ao analisar os vários tipos de letras ilustradas como símbolo de inovação, o pesquisador identificou que ela pode se originar de qualquer categoria tipográfica e tem como característica principal elementos visuais em sua estrutura. Segundo Leandro, a letra ilustrada utilizada atualmente tem origem nas iluminuras, especialmente nas letras iluminadas capitulares possivelmente surgidas no antigo Egito para documentar acontecimentos por meio de manuscritos.

A pesquisa mostra que o design tipográfico está em constante mudança. “Em parte, graças aos novos recursos digitais que permitem maior rapidez na produção, bem como a possibilidade de se combinar as novas tecnologias com técnicas artesanais tradicionais”, revela o autor, ao concluir que, no desenho tipográfico, “tal combinação remete aos experimentos das vanguardas modernas e pós-modernas”.

Quando definiu os tipos de signos encontrados nas letras ilustradas, o pesquisador também estabeleceu as tensões, justamente o que transforma uma letra em algo diferenciado. “Foi possível propor um agrupamento dos modos de utilização da letra ilustrada. Assim, foram agrupados os tipos de tensões em arranjos específicos, com exemplos em anúncios publicitários impressos”, ressalta.

NA PRÁTICA – As peças publicitárias analisadas pelo mestre em Comunicação demonstraram que o leitor, ao interpretar a mensagem com uma letra ilustrada, valoriza ou o visual ou o verbal. “Uma provável hipótese é que as experiências colaterais do intérprete podem tornar mais interessantes, aos olhos do leitor, uma das duas matrizes”, observa. No entanto, o estudo aponta que quando a letra ilustrada é utilizada, geralmente os signos visuais são dominantes. “Hipoteticamente, isso ocorre porque os signos visuais despertam mais rapidamente a atenção do leitor.”

Na avaliação do publicitário, sua pesquisa auxilia profissionais da área a entenderem a letra ilustrada. “O entendimento das tensões resultou na possibilidade de verificação do significado de mensagens contendo esse tipo de letra, bem como de uma inter-relação dos arranjos e outros questionamentos quanto à sua possível aplicação em outras mídias e quanto à extensão de tais arranjos em categorias mais complexas.”

Sob o aspecto de inovação, Leandro considera que a letra ilustrada permite ser inovadora pela constituição de novas tensões entre os signos verbal e visual e pelas relações interacionais dos signos com o restante da composição, o que, segundo ele, permite o acréscimo de comunicações criativas.

A dissertação de mestrado de Leandro Fabris Lugoboni, Inovações na linguagem tipográfica: a tensão entre o virtual e o verbal na letra fantasia, está disponível para consulta – na íntegra – no link: http://www.uscs.edu.br/posstricto/comunicacao/dissertacoes/2015/pdf/DISSERTACAO_LEANDRO_FABRIS_LUGOBONI.pdf

Sobre o Mestrado em Comunicação

O programa de Mestrado em Comunicação da USCS objetiva contribuir com a geração e difusão do conhecimento científico no campo da Comunicação e, com isso, dar consecução à missão da universidade junto à comunidade interna e externa. Pretende ainda contribuir na formação de pesquisadores e docentes com visão crítica e científica do campo da Comunicação face a uma sociedade em constante transformação. Informações sobre o programa: http://www.uscs.edu.br/posstricto/comunicacao/.

Mais informações à imprensa:

Universidade Municipal de São Caetano do Sul – Assessoria de Comunicação

Luciano Domingos da Cruz – tel. 4239-3259 – e-mail: comunic@uscs.edu.br  

Estudo da USCS aponta tipos de tensões entre signos visuais e verbais na letra ilustrada