Pesquisa analisa relação entre marcas líderes e próprias quanto à apropriação de elementos visuais gráficos

(São Caetano do Sul – SP) – Em um mundo globalizado e competitivo, a batalha pela atenção do consumidor é acirrada e as empresas veem-se diante de uma necessidade constante de inovar, oferecer e comunicar qualidade em seus produtos e serviços. Neste cenário, as marcas surgem como um importante patrimônio das empresas, justamente por possuírem a capacidade de comunicar ao público os valores de uma empresa. E é com foco nas marcas que o designer e consultor de marketing Thiago Bertoldo realizou a pesquisa “O trade dress relacionado às marcas próprias: Elementos de repetição na construção gráfica”, analisando, mais precisamente, as diferentes relações entre marcas próprias e líderes no mercado quanto a seus elementos gráficos.

O trade dress, explica o pesquisador, é um conjunto de características, como cores, formas, embalagem e gráficos, que permite que o consumidor identifique um produto e o diferencie dos demais. As marcas próprias, isto é, aquelas de produtos comercializados por exclusividade e que pertencem a atacadistas e varejistas, por exemplo, tinham o preço reduzido como principal atrativo, num primeiro momento. Com o tempo, porém, as empresas perceberam que valia investir nas marcas e “elas começaram a ganhar identidade e reconhecimento junto ao público”, conta Thiago – ganhava importância o trade dress dessas marcas. “Algumas marcas próprias se fizeram valer da estratégia de cópia das marcas líderes. Porém, com o passar do tempo, elas adotaram outra estratégia, a chamada ‘fantasia’, onde criaram uma identidade própria, porém, sempre com a chancela da marca mãe por trás”.

Analisando os elementos visuais presentes nas embalagens de biscoitos, creme de leite e batatas fritas, Thiago percebeu mais relações de semelhança que diferença entre as marcas próprias e líderes. “Talvez, aos olhos da marca própria, eles tenham inovado na construção gráfica, mas, provavelmente, aos olhos dos consumidores, as marcas se utilizaram de elementos gráficos semelhantes às marcas líderes para a confecção dos seus. Verifica-se que as marcas próprias, por mais que queiram ter uma linguagem própria para se diferenciar mercadologicamente, ainda se apoiam em elementos visuais presentes nas marcas líderes, ou de grande exposição mercadológica, e com isso, para as marcas próprias, acaba facilitando o seu reconhecimento e penetração no mercado”, conclui o pesquisador.

De acordo com o professor doutor João Batista Freitas Cardoso, docente do Programa de Mestrado em Comunicação da USCS e orientador do trabalho de Thiago, “este estudo permite compreender melhor as estratégia de construção da imagem de marca em um segmento que está em fase de consolidação”.

A dissertação de mestrado de Thiago Bertoldo está disponível para consulta – na íntegra – no link:

http://www.uscs.edu.br/posstricto/comunicacao/dissertacoes/2013/pdf/THIAGO_BERTOLDO.pdf

O Mestrado em Comunicação da USCS objetiva contribuir com a geração e difusão do conhecimento científico no campo da Comunicação e, com isso, dar consecução à missão da USCS junto à comunidade interna e externa. Pretende ainda contribuir na formação de pesquisadores e docentes com visão crítica e científica do campo da Comunicação face a uma sociedade em constante transformação. Informações sobre o programa: http://www.uscs.edu.br/posstricto/comunicacao/.

Mais informações à imprensa:

Universidade Municipal de São Caetano do Sul – Assessoria de Comunicação

Luciano Domingos da Cruz – tel. 4239-3259 – e-mail: comunic@uscs.edu.br

08/09/2014

 

Trade dress é tema de investigação na USCS