nvestigação foca as possibilidades e desafios do uso dessa tecnologia pelas emissoras de televisão brasileiras

(São Caetano do Sul – SP) – Atento às recentes mudanças nas maneiras de transmissão de programas televisivos, Fernando Mariano Siqueira, professor universitário e mestre em Comunicação pela USCS, se propôs a investigar as questões relacionadas à TV Conectada, como denomina o aparelho de TV com conexão à rede da Internet.

O crescente acesso a vídeos disponibilizados na Internet criou um novo perfil de espectador, que está mais acostumado ao consumo on-demand. “Ao entrar em operação, a TV Conectada baseia-se nesse modelo, com o diferencial de trazer em seu rol de opções conteúdos conhecidos e consolidados da TV Aberta”, afirma Fernando.

Sua pesquisa “Inovações na difusão televisiva: a TV conectada no caso do SBT” realiza um estudo do caso do SBT, em especial, a primeira emissora brasileira a disponibilizar seu conteúdo neste tipo de plataforma. A fabricante de aparelhos de TV Sony procurou a emissora firmar uma parceria: por um lado, há a tecnologia da TV Conectada; de outro, uma emissora fornecendo conteúdo para esse novo formato. Para compreender melhor os métodos e objetivos da emissora, Fernando entrevistou executivos do canal e descobriu mais detalhes sobre o modelo de negócios desenvolvido para atender a essa demanda. Um dos principais objetivos é aumentar a proximidade com esse novo perfil de público. Para isso, o canal disponibilizou uma parte de seu acervo atual, fornecendo edições ou seleções de conteúdos retirados de seus principais programas, que podem, afinal, ser assistidos a qualquer momento. Entre as dificuldades encontradas estão a preocupação com o direito autoral e de imagem, limitações técnicas (como a velocidade de acesso predominante à Internet), estruturais (programas de longa duração), comerciais (envolvendo a veiculação de mensagens publicitárias comercializadas para a TV Aberta e não para a TV Conectada ou para a Internet). Apesar disso, o SBT chegou a uma solução que codifica os vídeos, a fim de alcançar também usuários com velocidades limitadas de Internet, e veicula seus programas por um período máximo de 30 dias, com quantidade limitada, para evitar que o público fique confuso com muitas atrações.

O pesquisador aponta que as possibilidades desse tipo de transmissão podem alcançar também outros dispositivos, como celulares e tablets. Ainda assim, o hábito de assistir TV é um hábito cultivado e consolidado pelo brasileiro ao longo de mais de seis décadas. Para o pesquisador, a chegada da Internet ao aparelho de TV não modifica essa relação, mas acaba por criar novas possibilidades de consumo desse conteúdo.

O professor doutor Elias Estevão Goulart, orientador do trabalho de Fernando, ressalta que “o trabalho do Fernando trouxe à luz as discussões comerciais relacionadas a este novo modelo de negócio, que na verdade seria uma adaptação do modelo televisivo tradicional, mas como constatou-se não se aplicaria plenamente. Apesar da infraestrutura da Internet ainda ser desequilibrada nas diversas regiões do país, bem como o custo dos aparelhos se apresentar em queda, o principal entrave para a adoção desta tecnologia reside na possível escolha do usuário dos programas a assistir, deixando de ‘ver’ as propagandas dos patrocinadores. Talvez uma solução seja a retirada da propaganda entre programas e inseri-la nos programas, mas este será outro estudo”, avalia o orientador.

A dissertação de mestrado de Fernando Mariano de Siqueira está disponível para consulta – na íntegra – no link:

http://www.uscs.edu.br/posstricto/comunicacao/dissertacoes/2012/pdf/FERNANDO_MARIANO_DE_SIQUEIRA.pdf

O programa de Mestrado em Comunicação da USCS objetiva contribuir com a geração e difusão do conhecimento científico no campo da Comunicação e, com isso, dar consecução à missão da USCS junto à comunidade interna e externa. Pretende ainda contribuir na formação de pesquisadores e docentes com visão crítica e científica do campo da Comunicação face a uma sociedade em constante transformação. Informações sobre o programa: http://www.uscs.edu.br/posstricto/comunicacao/.

Mais informações à imprensa:

Universidade Municipal de São Caetano do Sul – Assessoria de Comunicação

Luciano Domingos da Cruz – tel. 4239-3259 – e-mail: comunic@uscs.edu.br

10/03/2014

 

TVs conectadas à Internet são tema de pesquisa em Comunicação na USCS