Pesquisador da USCS identificou elementos dos gêneros macabro e humor nas peças ‘Thriller’ e ‘Michael Jackson’s Ghosts’; obras fazem analogia com a vida do artista

(São Caetano do Sul – SP) – Ícone da indústria do entretenimento e da música pop mundial, Michael Jackson encontrou no horror cinematográfico uma alternativa de experimentação em seus videoclipes. A inovação no trabalho do cantor norte-americano, que inspirou a criação de novos gêneros de vídeos musicais, também motivou pesquisa científica desenvolvida na USCS (Universidade Municipal de Ensino Superior) sobre o uso da morte, do sobrenatural, da paranormalidade e do medo em produtos midiáticos como filmes, games e programas de televisão.

A curiosidade sobre o tema surgiu em 2009, quanto o jornalista Rafael Gonçalves Teixeira foi convidado para editar obra em alusão à última turnê que o artista realizaria, intitulada This is It. Ao resgatar as peculiaridades do trabalho de Michael, o pesquisador se deparou com a presença da morte na cultura pop. “Artistas populares como John Lennon e Elvis Presley permanecem comercializados mesmo após suas mortes. Observei que vídeos e canções de Michael Jackson trazem elementos que fazem referência ao macabro e ao horror”, revela.

Na dissertação Horror cinematográfico e experimentação de Michael Jackson na música pop e no videoclipe, o mestre em Comunicação e Inovação estuda dois trabalhos significativos do cantor que evidenciam experiências de vida após a morte: o videoclipe de Thriller, de 1983, e o curta-metragem Michael Jackson’s Ghosts, de 1997. A primeira constatação é o uso do humor nas peças. “Tais elementos foram usados para alterar o curso das histórias da realidade para o fantástico”.

Outro uso frequente, em ambas as obras, é a oposição entre o bem e o mal. Segundo o jornalista, na leitura do artista, as criaturas não necessariamente personificam o mal. “Em Ghosts, também é possível perceber que os elementos do horror cinematográfico servem à trama para criar uma analogia com a vida do artista e as acusações de pedofilia sofridas por ele”, pondera.

HIBRIDISMO – O pesquisador avalia o caráter híbrido como outro aspecto de experimentação nos videoclipes, que têm estrutura semelhante a um filme, podendo ser compreendidos como textos autônomos e produtos independentes das canções. Já a transformação entre personagem humano e criatura permite a mudança no curso da história, alterando os papéis de bom e mau. “Questiona-se a ideia de que a música pop deve ser apenas agradável e de que sempre fala sobre amor de forma adolescente.”

Na avaliação de Rafael, os elementos sobrenaturais, como mortos-vivos, morte, ressurreição e paranormalidade não chocam os personagens humanos enquanto a música é tocada. “São usados para despertar o encantamento e explicar a visão do artista sobre o mundo em que vive”, observa o autor, ao comentar que os elementos de horror, quando aplicados ao videoclipe, localizam-se na periferia da semiosfera. Na prática, “os códigos, inseridos na música, modelizam o horror e criam encantamento”.

O estudo aponta ainda que a inovação nas obras de Michael Jackson também ocorre quando o artista ressignifica elementos como a dança, o medo e os monstros. “O caráter inovador de Thriller, por exemplo, ajudou a solidificar no imaginário dos espectadores a imagem dos mortos-vivos que Michael Jackson utiliza”, conclui o autor.

Coordenador do Mestrado em Comunicação, o professor doutor Herom Vargas orientou a pesquisa e destaca que “a pesquisa do Rafael demonstra que o universo da cultura pop é muito mais complexo e criativo do que uma escuta desatenta pode imaginar. Especialmente, na música e nos videoclipes, há muitas relações criativas e inovadoras que utilizam informações de outras origens, como o cinema, por exemplo”.

Contato com o autor para acesso à íntegra do trabalho: rafagt@hotmail.com.

Sobre o Mestrado em Comunicação

O programa de Mestrado em Comunicação da USCS objetiva contribuir com a geração e difusão do conhecimento científico no campo da Comunicação e, com isso, dar consecução à missão da universidade junto à comunidade interna e externa. Pretende ainda contribuir na formação de pesquisadores e docentes com visão crítica e científica do campo da Comunicação face a uma sociedade em constante transformação. Informações sobre o programa: http://www.uscs.edu.br/posstricto/comunicacao/.

Mais informações à imprensa:

Universidade Municipal de São Caetano do Sul – Assessoria de Comunicação

Luciano Domingos da Cruz – tel. 4239-3259 – e-mail: comunic@uscs.edu.br

Estudo analisa horror cinematográfico nos videoclipes de Michael Jackson