Pesquisa da USCS indica que presença virtual fortalece a relação com o consumidor no estágio inicial do negócio; organizações, porém, não priorizam essa estratégia

(São Caetano do Sul – SP) – A presença virtual potencializa a comunicação entre start-ups (novos empreendimentos) e seus públicos. É o que aponta pesquisa científica realizada no Mestrado Acadêmico de Comunicação da USCS (universidade Municipal de São Caetano do Sul). Segundo o estudo, Facebook e Twitter são as mídias sociais mais utilizadas por organizações em estágio inicial, 95% e 76%, respectivamente; 100% possuem website; somente 5% utilizam newsletter, considerada unilateral por não permitir interatividade com o consumidor.

Além de mapear as mídias utilizadas na comunicação de novas empresas, o professor João de Paula Ribeiro Neto identificou como os empreendimentos iniciantes criam uma presença social nos perfis das mídias sociais e qual a reação dos visitantes nos comentários feitos nesses sites. Na dissertação “Presença social e empreendedorismo: aspectos inovadores no uso de mídias sociais por empreendimentos nascentes”, o mestre em Comunicação confirma que os sites institucionais e o Facebook valorizam a identidade das empresas, já o Twitter privilegia a conversação.

O pesquisador selecionou uma das empresas contempladas no estudo, a AppProva, para avaliar com profundidade como ocorre o processo de comunicação com os públicos. Os resultados do estudo sinalizam que a presença no Facebook permite maior interatividade, afetividade e coesão, fazendo o empreendimento criar fluxos conversacionais nas postagens. Segundo o autor do trabalho, as manifestações de interatividade predominam sobre as de afetividade e de coesão.

Ao analisar as manifestações dos visitantes feitas no mesmo perfil na mídia social Twitter, João notou que a lógica se inverte, predominando a afetividade. “Os clientes respondem positivamente quando têm a percepção de que as empresas têm uma oferta de valor a fazer, no momento que mais os convém”, relata o professor, ao ressaltar que o engajamento dos visitantes também pode ser destacado. “É possível identificar essas manifestações por meio de comentários, compartilhamentos e curtidas.”

O estudo demonstra parcialmente a estratégia de interação entre as novas empresas e seus públicos durante as etapas de desenvolvimento do empreendimento. Para João, a dinâmica adotada por starp-ups ajuda no desenvolvimento e alavancagem de novos negócios e mercados em menores prazos e com menores custos. No entanto, para obter resultados positivos, é preciso direcionar o uso das mídias sociais, alerta o professor. “Diferentemente das mídias tradicionais, essas novas mídias demandam novas dinâmicas de utilização para o seu total aproveitamento, sob o risco de exercerem o efeito contrário ao planejado.”

QUAL É A PRIORIDADE? – O pesquisador observou, no entanto, que o uso de mídias sociais ainda não é considerado estratégia de comunicação prioritária dessas empresas. Entre as hipóteses levantadas após conclusão do trabalho, o estudioso também ressalta que o mercado de consumo demanda maior esforço de comunicação nas mídias sociais por parte dos empreendimentos emergentes para a conquista de seus objetivos.

O professor considera que organizações não dominam e não exploram as potencialidades das mídias sociais. E indica possíveis formas de uso dessas ferramentas “como monitoração de tendências e necessidades de mercado, identificação e refinamento de novas oportunidades, canal de promoção, relacionamento e fidelização, fomentando o engajamento de diferentes grupos de consumidores.”

Na avaliação do orientador da pesquisa, professor doutor Elias Estevão Goulart, “ao se falar em presença social, não basta possuir um perfil institucional nas mídias sociais, pois diferentemente dos mecanismos de comunicação das mídias tradicionais, o novo ambiente virtual demanda o estreitamento das relações. Não basta apresentar produtos ou serviços, antes a presença social deve se caracterizar pela bidirecionalidade da comunicação com a predisposição de se ‘ouvir’ o cliente, ou stakeholder. Além disso, o foco deve ser no conteúdo, na qualidade do se oferecer ao interagente na mídia social. Dessa forma, a pesquisa oportunizou a elaboração de um modelo de análise da comunicação relacional nas mídias sociais por empresas, fundamentando-se na teoria da presença social e nos conceitos de empreendedorismo e engajamento”, salienta Goulart.

Sobre o Mestrado em Comunicação

O programa de Mestrado em Comunicação da USCS objetiva contribuir com a geração e difusão do conhecimento científico no campo da Comunicação e, com isso, dar consecução à missão da universidade junto à comunidade interna e externa. Pretende ainda contribuir na formação de pesquisadores e docentes com visão crítica e científica do campo da Comunicação face a uma sociedade em constante transformação. Informações sobre o programa: http://www.uscs.edu.br/posstricto/comunicacao/.

Mais informações à imprensa:

Universidade Municipal de São Caetano do Sul – Assessoria de Comunicação

Luciano Domingos da Cruz – tel. 4239-3259 – e-mail: comunic@uscs.edu.br

Facebook e Twitter são as mídias sociais mais utilizadas na comunicação de novas empresas